Ontem (02) a Billboard divulgou uma entrevista feita com os coo-diretores do clipe de Bitch Better Have My MoneyLeo Bern e Charles Brisgand. Na entrevista eles afirmam que Rihanna não estava muito preocupada se iria passar na TV ou não o clipe, e sim que ela gostaria de ter uma coisa mais agressiva.

Confira a entrevista traduzida:

Como você chegaram ao conceito do vídeo?

Leo Bern: A ideia veio diretamente dela, sobre o homem que não a pagou. A partir daí, escrevemos sobre como montar a história, encontrar o meio e um final.

A história tem a ver com Rihanna (fazendo referência ao contador que a roubou em 2009)?

Leo Bern: É até ela dizer. Não é importante procurar quem é o homem – nós apenas viemos com a ideia de cuidar da filmagem. Mas não nos aprofundarmos sobre ele. Algumas pessoas pensaram que era a menina quem devia Rihanna, mas era o homem que estava em pauta. É como fizemos o vídeo. Queríamos mostrar o homem no começo do vídeo, mas você certamente não vai notar.

Ela pareceu estar muito envolvida, mesmo pelos aspectos técnicos?

Leo Bern: É ótimo ter um artista que se envolve assim nos vídeos. Algumas vezes, os artistas são desinteressados pelos vídeos, por isso as vezes eles não saem como planejado. Embora Rihanna seja uma grande estrela, ela é realmente ela mesma. Ela estava lá verdadeiramente, mesmo que fosse uma sessão agitada, quando entramos em ação, ela estava lá.

Onde foi filmado o vídeo?

Leo Bern: Em Los Angeles.

Vocês se preocupam com a recepção que o vídeo receberá?

Charles Brisgand: Desde o início, Rihanna estava tipo “eu não me importo se ele não passar na TV”. Ela queria passar algo que as pessoas não esperassem dela.

Leo Bern: Ela queria surpreender, passar uma imagem de ‘vadia má’. O vídeo já é polêmico. Mas não é realmente nossa visão, trabalhamos mais em filmes. Só traduzimos o que a música dizia, ela é agressiva.

Charles Brisgand: Tentando não ser só boa, fazendo um vídeo ‘banal’.

O que vocês dizem para quem achou muito violento?  

Leo Bern: Nós escutamos a música e amamos – que tem essa ‘violência’, mas para mim é muito 90s. É como uma gangstar do antigo rap.

Charles Brisgand: Eu não o acho chocante atualmente. Não podemos agradar a todos. É um mundo que queríamos criar com ela. Esse não é um tipo de vídeo que fazemos para agradar as pessoas. Algumas podem amá-lo e outras odiá-lo, mas acho muito emocionante fazer algo assim. Se quisessemos chocar as pessoas, teríamos feito outra coisa, o que não foi a intensão. Não levamos [o vídeo] a sério, para nós foi uma sátira, há muito humor no vídeo. Rihanna disse “sou apenas uma garota má!”.

Para ler a entrevista sem tradução no site da Billbord, clique AQUI.